5 coisas que amamos e odiamos no programa de TV

A produção de Witcher ainda do programa NetflixNetflix

A adaptação de The Witcher da Netflix provocou bastante agitação graças a seus trailers bem cortados e a semelhança ainda mais aguda de Henry Cavill com um dos personagens mais queridos dos jogos, Geralt of Rivia.

A primeira parte da série The Witcher já chegou à Netflix e a listas de reprodução de streaming em todo o mundo. É o videogame e o remake de romance que você esperava? É a resposta da Netflix para Game of Thrones da HBO? Nesta resenha de The Witcher, exploraremos o novo programa da melhor e pior maneira.

Sobre esta revisão: A Netflix designou os revisores dos cinco primeiros episódios de The Witcher para os fins desta revisão.

Mostre mais


Cinco coisas que amamos sobre The Witcher na Netflix

The Witcher Geralt Of Rivia Embora The Woods Produção AindaNetflix

O visual está no local

O The Witcher se passa em terras de inspiração européia do continente e segue a trilha de Geralt de Rivia (Henry Cavill), um "bruxo", um viajante mutante que caça monstros por dinheiro.

A maioria das pessoas hoje associa The Witcher a famosas séries de videogame. Os fãs dos jogos encontrarão muito em comum aqui, incluindo vários momentos dignos de arrepios que são referências óbvias à aclamada trilogia do desenvolvedor CD Projekt Red.

No entanto, os jogos têm pouco a ver com a história real da série Netflix. Em vez disso, o programa é amplamente baseado na série original de romances em que os jogos são baseados, escritos pelo autor polonês Andrzej Sapkowski.

O que os jogos inspiraram, no entanto, é a aparência geral do show. Muitos dos personagens principais se parecem muito com seus colegas em The Witcher 3: Wild Hunt, bem como com os ornamentos medievais de fantasia do jogo.

A personalidade de Witcher cinzelada de Henry Cavill se assemelha perfeitamente a Geralt nos jogos, desde sua armadura corporal até suas espadas gêmeas, as cicatrizes em seu rosto e os icônicos cabelos de lobo branco. Outros personagens com figurinos definidos, Yennefer, por exemplo, também pedem sua aparência emprestada do jogo.

A comparação Witcher com personagens do jogo

No geral, o programa captura perfeitamente a aparência dos jogos e o espírito dos romances, garantindo que todos os fãs se sintam em casa, vendo o mundo vivo e respiratório de The Witcher em ação ao vivo.

Linhas clássicas chegam em casa

O mal é mau, Stregobor. Menor, maior, mediano, é tudo a mesma coisa. Eu não fiz apenas o bem na minha vida. Mas se devo escolher entre um mal e outro, prefiro não escolher.

Esta e muitas outras linhas retiradas diretamente dos romances chegaram à série Netflix The Witcher. Essas linhas emprestadas proporcionam muito alívio dos comentários secos dos personagens centrais. Até os sons sutis de “hmm” que Geralt faz são um aceno para o jogo, mais uma vez atingindo aqueles que conhecem o comportamento apático do bruxo.

Referências ao jogo em abundância

Se você estava assistindo Nos trailers do programa, você se lembra da (in) famosa cena da banheira com Cavill exibindo seu impressionante tanquinho. A cena é um retorno à sequência de abertura de The Witcher 3: Wild Hunt, mas se você está vagamente ciente da série, provavelmente já sabia disso. O que você não sabia é que existem muitos outros momentos por excelência do jogo que são representados no programa Netflix.

Palavras-chave: HBO Max: Tudo o que sabemos até agora

Por exemplo, uma sequência em que Geralt luta contra a Striga, uma princesa transformada em monstro que é amaldiçoada por causa de seu nascimento incestuoso, lembra um trailer cinematográfico do terceiro jogo da trilogia. Se você ainda não viu, confira o trailer abaixo e fique de olho no programa.

Batalhas cheias de ação

Você recebe uma dose saudável de ação em quase todos os episódios de The Witcher da Netflix. Na sequência de abertura, Geralt luta com uma criatura insetóide monstruosa chamada "Kikimora". Ao longo do programa, vemos ele colidir com Renfri e lutar com a Striga, furiosamente veloz. Essas seqüências de ação evitam que a série se torne monótona e ajudam a manter o enredo em andamento.

Elenco forte de personagens

A produção da Witcher Yennefer aindaNetflix

Várias histórias paralelas acontecem no programa, apresentando personagens importantes como Ciri – a princesa de Cintra, que se tornará a ala dos bruxos, Renfri – uma princesa mortal que se pensa ser amaldiçoada, Stregobor – um feiticeiro malicioso e Yennefer – parte elfo corcunda humana que se transforma em um mágico. No decorrer da série, vemos a história de fundo da maioria desses personagens centrais e como seus destinos estão finalmente ligados ao de Geralt.

Talvez a melhor de todas as histórias paralelas seja a de Yennefer (Anya Chalotra). Como corcunda, ela vive uma vida de miséria até ser introduzida na Irmandade dos Feiticeiros. O que você vê na imagem acima é a forma que a Yennefer assume após pagar um preço alto.

Um episódio inteiro é dedicado à transformação de Yennefer em um mago poderoso e surpreendentemente bonito. Anya Chalotra fez um trabalho louvável em interpretar a Yennefer deformada e seu arco de história é um dos melhores da série.


Coisas que odiamos sobre The Witcher na Netflix

É apenas para os fãs

Ver The Witcher como alguém que não tem conhecimento dos livros ou do jogo pode ser extremamente confuso. O programa tem como certo que você já sabe quais são os bruxos titulares e como o continente funciona. Se a Netflix esperava atrair apenas fãs do jogo ou dos livros, ficará com um público muito específico.

Mais conteúdo de streaming: Os 10 melhores filmes da Disney Plus

Logo de cara, você precisará de dois episódios completos de uma hora para entender a história. Ainda assim, você se encontrará no escuro sobre muitos detalhes inexplicáveis ​​da tradição mais ampla. O programa talvez tivesse terminado com uma narração ao estilo do Senhor dos Anéis, explicando os conceitos do livro.

Mas não para todos os fãs

The Witcher segue de perto os três primeiros livros – The Last Wish, Sword of Destiny e Blood of Elves. No entanto, até os fãs notariam buracos na narrativa. Grandes partes das histórias originais foram manipuladas para se ajustarem ao formato da televisão. Os gráficos são misturados e combinados e não há contexto para alguns caracteres. Muitos detalhes foram omitidos em histórias diferentes e isso pode levar alguns espectadores a se sentirem desconectados do programa.

O bruxo é sexy, mas o que mais?

Henry Cavill a cena da banheira WitcherNetflix

A aparência bruxa de Henry Cavill pode ser perfeita, mas parece que o ator está lá apenas por sua estranha semelhança com o personagem de videogame e seu charme grosseiro. Embora isso não seja realmente uma coisa ruim, o caráter do bruxo é reduzido ao de um objeto sexual com muita frequência. Sempre que as coisas esquentam e pesam, Geralt está bem no meio de tudo. Sim, Netflix, percebemos que ele é gostoso, mas ele também deveria ser um mutante de mais de 80 anos com poderes mágicos. Eu queria ver mais daquele ser corajoso e sobrenatural, em vez do brega Geralt com consciência.

Algumas das habilidades de Geralt não são explicadas

O bruxo tem muitos truques na manga. Por exemplo, você o verá consumindo vários frascos de poções durante o curso do programa. Você também verá a cor dos olhos dele mudar de amarelo ardente para preto escuro. Depois, há momentos em que ele usa gestos e símbolos para romper paredes ou criar campos de força. O triste é que você não consegue descobrir o motivo por trás desses truques. Simplesmente não há explicação para esses atos, pelo menos nos cinco primeiros episódios da série de oito partes.

Também não há antecedentes sobre por que a raça humana reina suprema no continente, enquanto as raças não humanas – elfos, gnomos, anões – são maltratadas e renunciam ao deserto.

Não é Game of Thrones ou Senhor dos Anéis

A produção da Witcher Sword Fight ainda

Como é o caso de programas de fantasia épicos como Game of Thrones, não há grande desenvolvimento em The Witcher. Ele não cria um forte senso de mistério e intriga. Sabemos que Geralt tem um destino a cumprir, mas a viagem não é tão divertida quanto os trailers. Os filmes O Senhor dos Anéis são talvez o auge da recontagem de histórias de fantasia, mas The Witcher ainda não está nem perto desse nível. Talvez as temporadas subsequentes do programa tenham conseguido impressionar o público além de fãs sérios da tradição.


Isso é tudo para a nossa análise de The Witcher na Netflix. Agora que você sabe o que é bom, o que é ruim e o que é feio, vá em frente e assista ao relógio pressionando o botão abaixo! Gostaríamos muito de ouvir seus pensamentos sobre o programa, então deixe-nos uma linha nos comentários.

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Web Analytics